A FLAPARANÁ surgiu a partir do desejo que alguns flamenguistas residentes em Curitiba (muitos deles cariocas) cultivavam de ter um espaço atuante, onde pudessem incentivar o Mengão nos seus jogos no Paraná, principalmente porque àquela época (ano de 2005) a grande Nação Rubro-Negra estava passando por um grande sofrimento, com derrotas seguidas e ameaça de rebaixamento no Brasileirão.

Quem é flamenguista de verdade sabe que é na dor, no desespero e no sofrimento que o rubro-negro encontra forças para se autossuperar e levar o time às vitórias através do grito da massa! É quando a diferença se faz presente e o 12º jogador entra em campo, o maior jogador que existe no futebol mundial: a raça que surge no manto sagrado dos jogadores através do grito da torcida do Mengão!

Aí fomos juntando daqui e dali, chamamos mais uns 10 flamenguistas que conhecíamos, inclusive o Raul Plassmann que era Secretário de Esportes e Lazer do Município à época, e com algumas pranchetas e fichas de filiação nas mãos, os primeiros integrantes e fundadores da FLAPARANÁ fizeram a sua estréia contra o Coxa, no Couto Pereira, na 14ª rodada do Brasileirão de 2005 no dia 24/07/2005.

Durante o jogo, foram colhidas dezenas de telefones e e-mails dos torcedores presentes na arquibancada, que serviram de embrião para a formação da FLAPARANÁ. Depois, através do Orkut e da Internet, foram sendo contatados aqueles que tinham interesse em participar. A torcida crescer e tomou corpo , sendo que a cada jogo do Flamengo em Curitiba, era maior o número de integrantes que se faziam presentes nos estádios do Atlético PR e do Paraná Clube e também nos bares com telão, onde eram assistidos as partidas que o Flamengo disputava. Foram confeccionadas as primeiras camisas com a logomarca da torcida e uma faixa que passou a se fazer presente nos estádios e nos bares freqüentados.

No jogo contra o Coxa, ocasião em que a FLAPARANÁ fez a sua estréia, até os 47min do segundo tempo, o Flamengo estava garantindo um importante e até mesmo heróico empate. Porém, apesar da torcida rubro-negra estar composta por umas 5.000 pessoas, e da charanga que levamos (uma banda com 7 integrantes e instrumentos de sopro) o Coritiba fez um gol bem no finalzinho e derrotou o Mengão (3X2).

Passamos por diferentes bares (Aos Democratas, Plataforma, Freguesia) que serviram com ponto de encontro para as reuniões semanais , até encontrarmos um endereço fixo que foi batizado por nós como a CASA DO URUBU. Durante 4 anos seguidos a torcida se reuniu  no Bar do João (Rua XV de novembro – Alto da XV – Esquina com Presidente Rodrigo Otávio – ao lado do Hospital Menino Deus) sempre fazendo a maior festa com bandeiras, cantando os hinos que são entoados nas arquibancadas por onde o Flamengo se apresenta e incentivando o time como se fosse uma filial do Maracanã.

Em todos os jogos nos quais o Flamengo disputou e ganhou títulos, aconteceram carreatas memoráveis com mais de 100 veículos na Av. Batel.

O Bar do João foi todo pintado nas cores vermelha e preta e a FLAPARANA quebrou sucessivamente seus recordes de presença de público, com a inclusão de novos filiados a cada jogo, chegando a contar com mais de 5.000 integrantes ativos.

Foram abertas representações da torcida no interior do Paraná, os Consulados, em 10 cidades do Paraná , sendo que algumas tornaram-se Embaixadas posteriormente, nas cidades de Paranaguá, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu e Londrina.

A FLAPARANÁ levou inúmeros rubronegros residentes no Paraná e em Santa Catarina para excursões em vários locais do Brasil inclusive em decisões de Taça Guanabara e Campeonatos Cariocas e no Campeonato Brasileiro de 2009 quando o Flamengo tornou-se campeão.

Mudamos de endereço passando para o Bar do Eduardo no Bacacheri e montamos uma sub-sede no Bar do Mendes, que acabou sendo a nossa casa a partir do ano de 2009. No Bar do Mendes, criado pela FLAPARANÁ, se instalaram vários outros movimentos como a FLAPEL, FLACHURRASCO e outros que foram acolhidos democraticamente, e que hoje ocupam o espaço sem restrições.

Uma Embaixada não é uma torcida organizada, portanto , o objetivo de uma embaixada é ser um espaço aberto de recepção para todos os rubronegros residentes na cidade e de passagem por ela. Assim a casa da FLAPARANÁ foi aberta para receber todas as representações de TO´s que estivessem sem sede ou de passagem pela nossa cidade , além de grupos de rubronegros organizados que quisessem frequentar as suas dependencias e adotá-las como sua casa.

Dessa forma, o BAR DO MENDES, sede da FLAPARANÁ , passou a receber democraticamente e indistintamente, todos aqueles que quisessem se reunir para torcer nos jogos do Flamengo, inclusive as representações locais de TO´s que não tivessem sede própria.

A FLAPARANA possui um imenso cadastro de torcedores rubronegros que já passaram por suas dependencias, durante esses doze anos de existencia, e não cobramos mensalidades , não vendemos ingressos e respeitamos todas as manifestações de grupos de torcedores que desejam congregar-se conosco.

Portanto, a EMBAIXADA hoje é um espaço livre para que todos possam se confraternizar e torcer, fazer churrascos, discutir o Clube. Somos o ponto de referencia do Flamengo no Estado no Paraná, pela história que foi construída ao longo do tempo. Todos aqueles que estão de passagem por Curitiba, sabem que existe um território rubronegro que os receberá de braços abertos para poderem torcer e falar do Flamengo. É esse o motivo principal da nossa existência.

A FLAPARANÁ tem um nome forte, simpatizantes por todo o Brasil e pessoas que vestem a sua camisa e admiram o trabalho que foi feito durante esses 12 anos de existência. Assim, nunca nos acomodamos e no ano de 2017 partimos para novos projetos, mudamos de ponto de referencia e nossa sede mudou para :

AVENIDA DOS ESTADOS 974 -AGUA VERDE – BAR INDOLENTES (ANTIGO CONFRARIA)

onde estamos em parceria com a FLAMANGUAÇA BOTEQUIM PARANÁ para desenvolvimento de vários projetos sociais em Curitiba e região metropolitana, sempre pensando no Flamengo e na familia rubornegra.